sábado, 21 de setembro de 2013

Comes e bebes


Não resisto a "fechar" um país falando de comida.
Afinal, pode haver algo mais importante? ;-)

O prato acima é o gallopinto, presente em todos os menus, do café da manhã ao jantar. Nada mais é do que a mistura de arroz com feijão preto, que sempre vai com algum acompanhamento.
Bem "brasileiro".

Não identifiquei na culinária local algo de grande destaque. Come-se bem, mas nada do outro mundo. E nada muito típico.

Algo de frutos do mar...


Algo mais gourmet, como esse tomate recheado:


Ou mesmo comida de outras bandas, como mexicana, tailandesa...


Os sucos de fruta são comuns, e bem variados, naturais e gostosos. E a sangria é bem mais comum que no Brasil:


As duas cervejarias principais fazem cervejas leves como as nossas:


Por fim, o café... Ai o café!
Lamentável um pais cafeicultor ter tão pouco bom café para colocar nas mesas. Dá a impressão que é tudo para exportação, ou então não curtem um preparo mais forte mesmo.

Cada um com suas esquisitices!

Até a próxima!






Finalmente... praias!


Enfim...
Sonho de consumo de todo o mundo urbanizado, as praias "virgens" são cenários praticamente em extinção.
No Brasil já estão ficando raras, apesar de termos alguns paraísos ainda pouco explorados.

Dentre as opções existentes, optei pelo Parque Manuel Antônio, no Pacífico, a 3 horas de San José.
É considerado um dos parques mais bonitos e de maior biodiversidade do país.

Essa é a principal praia do parque. Cheguei cedo e não tinha quase ninguém.
Em todo caso, o parque estabelece como limite diário 600 pessoas. Esse número, espalhado nas praias e trilhas, é bastante saudável para a sobrevida desse paraíso ecológico.

Seguem mais alguns cliques:


Me lembrou a Ilha Grande, só que mais frondosa.
E ainda tem um belo desenho, incomum no Pacífico, pelo menos no hemisfério Sul.




Mais termas...


Como já estou ficando especialista no tema... não pude deixar de conferir mais esse exemplar!

Ao redor do vulcão Arenal proliferam resorts que exploram turisticamente os rios vulcânicos através de  "represas" ou perfurações, construindo piscinas naturais de águas termais. Difícil até de escolher o destino.

Optei pela Ecotermales, que tem uma aparência menos "arquiteturizada". A água, neste caso, deve estar em torno dos 35 graus.

Delícia.
Lindo para um banho noturno.
Recomendo muito a visita!


Brincando de tarzan


Essa foi a tirolesa mais incrível que já me pendurei.
São 11 cabos que somam quase 5 km, e onde o maior deles chega a quase 1 km de extensão.

É uma das maravilhas da região de San Carlos, que tem como atracões principais as caminhadas no meio da mata virgem, os esportes de aventura e as águas termais. Além do vulcão, é claro.

Óbvio que fiz de tudo um pouco, no tempo que me foi possível.


Cartões postais

Como dispunha de poucos dias para conhecer as belezas naturais da Costa Rica, fiz uma rápida pesquisa com os locais: quais são os lugares imperdíveis?

A região de San Carlos foi a campeã de votos. É lá onde estão os principais cartões postais do país:


A Cascata de La Fortuna


E o Vulcão Arenal, que se mantém em constante atividade.

Quer turistar, então vê se faz direito!



País verde


San José de fato contrasta com o restante do país, não é verdade?



Uma boa escola


Essa foi a casa do workshop.
A Escola de Arquitetura da Universidad Veritas está instalada em um edifício recente, projetado por um arquiteto local.


Ótima surpresa arquitetônica!
Os espaços integrados formando um grande atelier e interconectados por rampas proporcionam um ambiente convidativo ao convívio acadêmico.


O mobiliário sobre rodas facilita a flexibilização das salas, e tem bom design.


Faz bonito e chega a dar invejinha!

Selva de pedra


San José é uma cidade dispersa. 
Com poucos edifícios altos, a cidade se espalha horizontalmente no território, consumindo todo o verde que faz parte do imaginário do resto do país.

Por que diabos cidade e natureza não conseguem dialogar mais francamente?

Descanso na Ilha


Uma hora e meia de ônibus + duas horas de barco nos separavam dessa maravilha do Pacifico.
O esquema turístico não é o dos mais agradáveis. Guia-animador falando demais e regrinhas para tudo, além da impressionante mercantilização do espaço público, onde tudo se paga. Ao menos sentar na areia e entrar na água (por enquanto) é gratuito.

O lugar é a Isla Tortuga, no golfo Nicoya.
Estávamos mesmo precisando sair um pouco de San José e conhecer a Costa Rica dos guia turísticos. Ainda nada de outro planeta, mas de nenhuma maneira decepcionante...




segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Tropicalismos


São José tem um clima incrível. Sol e calor pela manhã e chuva torrencial à tarde.
TODO DIA!

E ainda por cima é sísmico! Haja coração!

domingo, 15 de setembro de 2013

Ouro pré-colombiano


O grande projeto arquitetônico de San José é o Museu do Ouro. 
Digno de destaque internacional, o projeto dos arquitetos Jorge Bertheu, Jorge Borbón e Edgar Vargas tem uma historia interessante. 
Com a demolição das edificações existentes para dar lugar ao novo museu, foi "descoberta" a fachada lateral do Teatro Nacional, que os arquitetos consideraram de valor para a cidade. Com isso, modificaram todo o projeto existente para colocar o museu totalmente subterrâneo, deixando a praça livre e valorizando a presença do teatro. A praça é desenvolvida em vários níveis, criando um acesso acolhedor para o museu.


São 3 pavimentos subterrâneos com uma bela coleção do ouro pré-colombiano, o que os espanhóis provavelmente não conseguiram carregar.




sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Arquitetura moderna Costariquenha


Pelo que pude conhecer,  a fase mais interessante da arquitetura Costariquenha foram os anos 70, no período de arquitetura moderna tardia.

Alguns exemplares chamam atenção, como o Colégio de Arquitetos, a superestrutura brutalista de concreto que cria interiores amplos e iluminados, a Faculdade de Arquitetura da Universidade da Costa Rica, com sua estrutura aparente e grandes vãos, e a Igreja de Fátima, com sua linda especialidade e assimetria.




San José, que a primeira vista parece meio sem graça, aos poucos vai mostrando seus encantos.