domingo, 8 de fevereiro de 2015

Muito amor!

Para fechar esse mês de janeiro inesquecível, uma sequência de imagens da nossa segunda casa nesse mundo. O lugar que me fez voltar 20 vezes ao Chile e mudar o rumo da minha vida!

Todo amor desse mundo para a Ciudad Abierta...

Para nosso pouso eventual, a singela Cubícula...

Para o Palácio del Alba...


 Para amigos e suas lindas hospederías...



Para o Domo, Calzadas e Sala de Música, centro social do lugar...

E para todas as experiências de arquitetura e paisagem que merecemos!

Até a volta!

Balneário incompreendido

Viña é uma cidade que aprendi a gostar. Quando vim a primeira vez fiquei assombrada com a especulação na orla, que depois descobri que não era de Viña, mas sim de Reñaca, e com os edifícios post modern style de implantação moderna.

No entanto, na vida diária a cidade tem muitos encantos. O gabarito de grande parte da cidade é baixo, com uma arquitetura de mais qualidade do que o Rio de Janeiro, e a vida noturna é animada.


Nesse trecho da orla os edifícios seguem a implantação modernista, que no entanto funciona bem no sentido de promover maior aeração e vista para as ruas internas. E o térreo sem grades faz toda a diferença.

Não acho boa solução para a orla inteira, mas para trechos, promovendo maior permeabilidade.

E a praia heim? Maior sucesso! 22 graus, mar gelado e praia bombante!

E o deck ou calçadão permitem um passeio não linear e super diversificado. Tem seu charme!

Espaços públicos diversificados e vida na rua

Santiago é uma cidade de grande vitalidade, onde podemos esbarrar com uma série de espaços públicos diversificados que são apropriados de diferentes maneiras pela população.

Um dos nossos endereços preferidos é a Plaza Ñuñoa. Obra de aproximadamente 4 anos, trata-se de um "buraco", um subsolo público ocupado por uma série de restaurantes, que estão sempre cheios. Local bem apropriado para o clima frio, onde os usuários podem ficar protegidos do vento.

Recentemente também aderimos à apropriação temporária da Praça Padre Letelier, próxima ao Campus Lo Contador da Católica de Santiago. Esse espaço público está ficando famoso pelos almoços-picnic. O restaurante da praça cede as toalhas e os clientes comem, em plena praça, uma comidinha super saudável!


Eu ADORO isso!!
Como ápice, descobrimos um lugar fantástico para correr! Uma rambla bem na esquina de "casa", com pista de terra batida, bebedouros e sombras parciais. Ainda tem ciclovia e algum mobiliário urbano.

Chama-se Ciclorecreovia Pocuro. Me lembrou o Passeig Sant Joan, em Barcelona.

Enfim, investimentos no espaço público são a melhor forma de dinamizar um centro urbano.

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Mapuches

Há muito tempo queríamos conhecer, mas pelo difícil acesso sempre deixamos para depois. Enfim pudemos visitar o conjunto de Viviendas Mapuche, do arquiteto Cristián Undurraga, em Huechuraba. São casas moduladas de aproximadamente 60m2 com fechamentos em bambu.

A Fundación Mi Parque realizou a intervenção nos espaços livres, que inclusive já vem sendo apropriados pelos moradores com varandas, o que acho bem simpático nesse contexto.

O ponto fraco é a relação com a rua, de negação total através de um muro sofrível.

Espero que consigam manter o bambu, que em alguns pontos já apresenta desgaste!

Faça você mesmo!

Guiados pelo colega Ignacio Lira, diretor da Fundación Mi Parque, fomos conhecer algumas intervenções em áreas públicas de conjuntos periféricos, promovidas pela Fundação.


Acompanhamos com alegria há alguns anos a atuação de Mi Parque, que através de projetos e obras participativas consegue construir áreas públicas com as quais a comunidade se identifica. Esse conjunto popular em La Pincoya teve os jardins construídos com a participação dos moradores, que são os responsáveis pela sua manutenção. Inclusive "competem" para quem consegue manter o jardim mais bonito.



Cabe esclarecer que essas áreas que hoje são verdes, antes da atuação da Fundação eram barrancos desérticos.

Pequenas ideias que podem mudar a vida de muita gente!

Educação + arquitetura

A diferença entre as universidades privadas chilenas e as brasileiras é a seguinte: no Chile há um investimento em arquitetura. Enquanto no Rio os edifícios das privadas, com raras exceções, são sofríveis, no Chile podemos encontrar muitos bons projetos, como já pude postar há um tempo atrás (ver PUC Santiago, Adolfo Ibañez e Diego Portales).

As bolas da vez são a Universidad San Sebastián, o Centro de Estudos Avançados e Extensão da PUCV, e o DUOC Santiago. Descobrimos essas instituições casualmente andando por Providencia.

A Universidad San Sebastian é composta de duas lâminas de vidro formando um pátio central com os edifícios antigos.






Tem até obra de arte no pátio!

O CEA Santiago é um edifício de esquina com fachada verde, inserido na malha urbana.

Já o DUOC Santiago, uma espécie de escola técnica, também é conhecido por construir belos edifícios. Esse completa o campus, tendo a destinação de escritórios.




Vai dormir com essa!

Revitalizado é sempre melhor!

A revitalização do Parque Quinta Normal está um espetáculo!


Há 5 anos atrás, quando o conheci, estava super deteriorado. Após a reforma feita por Teodoro Fernandez, o parque histórico ganhou uma feição mais contemporânea, com mais áreas pavimentadas recortando a arborização existente, intervenção no lago com decks, coberturas e novo desenho do perímetro, criação de novo mobiliário urbano e pisos de água, entre outras intervenções.







Do jeito que está, entrou na minha lista de passeios indispensáveis!